" />

Aprenda a editar partituras com o Musescore (Open Source software)

Baixe Gratuitamente a partitura do hino Ao Deus Grandioso com tabladura para bandolim e cifras para violão.


Posts marcados dica

Pra que servem as escalas?

Muitos iniciantes da arte da música se questionam por que estudar as escalas musicais. Qual a sua importância? Para simplificar vamos começar fazendo uma analogia com o idioma que falamos. Gosto desta comparação porque no fundo a música é uma linguagem. Se em nosso idioma as letras formam as palavras, na música as notas formam as melodias. No entanto, uma lista de palavras não significa nada se não estiverem organizadas em frases e orações e de acordo com as regras gramaticais. Muito bem, na música, as escalas são as regras gramaticais. Toda melodia é escrita seguindo as regras da escala e, da mesma forma, os acordes são formados e usados sobre a escala musical. Além disso, é a escala na qual a música se baseia que confere à musica a expressão que o artista quer transmitir. Na música popular, por exemplo, as escalas mais utilizadas são as escalas maiores e menores. Daí  dizemos que uma música em tonalidade menor transmite uma expressão mais melódica, mais triste, enquanto uma música em tonalidade maior tem uma expressão mais alegre.

É preciso diferenciar tom e tonalidade, pois estes conceitos são muito próximos e dependem um do outro. Dizemos tom de dó ou de ré, mas tonalidade maior ou menor. Assim o que caracteriza uma escala maior é a relação entre os intervalos entre cada grau da escala e tom quando fazemos a transposição desta escala mantendo suas “regras gramaticais”. A escala de dó maior é a mais simples e mais conhecida, pois basta tocar as teclas brancas do piano iniciando na nota dó. Nesta escala temos uma relação de tom, tom, semitom, tom, tom, tom, semitom. O conceito de graus de uma escala nos permite manter esta relação em qualquer tom, assim, dizemos que a primeira nota da escala é o primeiro grau, a segunda nota é o segundo grau e assim sucessivamente. Desta forma, se tenho a escala de ré maior, por exemplo, meu primeiro grau é a nota ré, o segundo é a nota mi que está um tom acima, o terceiro é a nota fá sustenido e não fá, pois entre o segundo e terceiro graus devemos manter a “regra gramatical” de um tom, e sabemos que de mi para fá temos apenas meio tom ou um semitom.

Parece complicado, mas uma vez entendido como se formam as escalas maiores, podemos construir qualquer outra, sejam escalas menores, modos gregos, blues maior ou menor, bebop, enfim, é como tornar-se poliglota, podendo permear por vários idiomas dos estilos musicais. Dê uma olhada em nosso vídeo de como construir as escalas maiores em todos os doze tons. Divirta-se!

 

Algumas dicas de livros para aprender as escalas e seus usos:

ESCALAS PARA IMPROVISAÇAO (Luciano Alves)
icon

E-books para Kindle

Categorias

Calendário de Posts

setembro 2017
D S T Q Q S S
« ago    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Curso How to build Course – Em Inglês

Curso Como construir Acordes – Português