" />

Aprenda a editar partituras com o Musescore (Open Source software)

Baixe Gratuitamente a partitura do hino Ao Deus Grandioso com tabladura para bandolim e cifras para violão.


Posts marcados curso

Vale a pena fazer cursos de música online?

Vale a pena estudar música online?

Esta é uma pergunta que muita gente se faz com tantas possibilidades e promessas de cursos na internet. A resposta é depende! Mas depende do que? Bom, se você é um iniciante, nunca tocou um instrumento, talvez seja interessante começar com um professor que está do seu lado e que vai te dar todas as dicas sobre o instrumento, como tirar o melhor som, etc. É claro que há pessoas que são autodidatas natas e possuem um ouvido fenomenal e conseguem aproveitar bem o curso.

Agora, na minha avaliação o que faz a diferença em um curso, não é se ele é online ou não, mas a didática do instrutor.  Com a tecnologia que temos hoje não há desculpas para não aprender por não ter tempo ou não ter um instrutor por perto. Para quem já conhece música, ou já toca um instrumento os benefícios dos cursos online são muito maiores, mas mesmo iniciantes podem aproveitar bem as oportunidades. Há sempre quem vai criticar ou elogiar. O curso online não exclui o professor, mas complementa.

Que tal, por exemplo, fazer um curso de música com os professores de uma das mais renomadas universidades dos Estados Unidos? E se eu te disser que o curso é grátis? Estou falando de Berklee , Universidade da Califórnia. Com o crescimento das plataformas online, várias universidades estão disponibilizando cursos online gratuitos. É claro que você precisa saber inglês para assistir os vídeos da maioria dos cursos, mas uma coisa legal é que a maioria tem legendas (em geral em inglês e espanhol), mas dá pra dar uma pausadinha no vídeo e buscar uma ou outra palavra no dicionário para quem não é fluente na língua.

Um exemplo bem legal é a plataforma de cursos online Coursera . Através dela são disponibilizados cursos de diversas áreas inclusive de música. A grande maioria dos cursos é disponibilizada gratuitamente. Agora, se você quiser obter um certificado, daí sim, você paga pelo curso, mas pode assistir todas as aulas como ouvinte, o que é fantástico para quem não se importa com obter o certificado, mas quer aumentar seus conhecimentos. Além dos cursos gratuitos,  há também outros  mais avançados e estes sim, são pagos.

Pra quem se interessa em outros assuntos e não somente em música vai encontrar cursos de todas as áreas do conhecimento.

Outro ponto positivo nestas plataformas é que se você comprou um curso, mas não era exatamente o que queria e por algum motivo não atendeu às expectativas da compra você tem um prazo para devolver o curso e pedir reembolso. Uma vez que você compra o curso terá sempre acesso ao conteúdo, mesmo se o instrutor decidir tirá-lo do ar, você continuará tendo acesso. Além disso, há uma dinâmica de avaliação dos cursos que fica pública e é feita pelos próprios alunos.

Está esperando o que? Clica logo nos links e comece a explorar este universo do conhecimento musical.

Deixo alguns links abaixo e sugiro que dê uma navegada em nossa área de cursos onlines.

Alguns cursos de música  da plataforma Coursera:

Fundamentals of Music Theory – The University of Edinburgh 
Introduccion a la guitarra- Berklee
iconComposición de canciones – Berklee
iconIntroduction to Classical Music – Yale University
iconEl músico Moderno – Specialization – Berklee
iconIntroducción a la Producción de Música – Berklee
iconFundamentals of Rehearsing Music Ensembles- The university of North Carolina at Chapel Hill
iconWrite Like Mozart: An Introduction to Classical Music Composition- National University of Singapore
iconCreating Synthesizer Sounds for Electronic Music (Project-Centered Course)- Berklee
iconDesarrollando tu musicalidad -Berklee
icon

Outra plataforma muito interessante e com diversos cursos de música inclusive em português é a Udemy. Aqui qualquer pessoa pode se tornar um instrutor, então músicos do mundo todo podem publicar seus cursos gratuitos ou pagos. O mais legal é poder contar com o instrutor que responderá suas dúvidas, se você enviá-las, é claro.  Nesta plataforma os cursos de música estão organizados por temas sendo eles : instrumentos, produção, fundamentos da música, canto, técnicas musicais, softwares de música e outros.

Separei alguns cursos de música da Plataforma Udemy além dos que você já encontra em nosso site:

Alguns cursos de música na plataforma Udemy

Curso de violão Popular – O clube do Músico
Explosão Pentatônica- Marcos Annuseck
Curso de Pìano Completo para iniciantes – Luciano Alves
ABC do Violão – Ronaldo Camilo
Pro tools- Português BR – Vinícius B.B. Silva
Tecnologia MIDI em Portugês – Marcus Padrini
Como construir Acordes- Fernando Neves
Curso Vocal: Método de canto completo para melhorar a voz – André Fantom
Curso básico de edição de áudio – André Rossiter
Curso Adobe Audition CC – Veja e Aprenda Treinamentos em softwares
Curso básico de edição de partitura usano o Musescore- Fernando Neves
icon

 

O que são dominantes secundários?

dominantes secundários

dominantes secundáriosAcordes dominantes secundários são os acordes que preparam os graus diatônicos. Calma, não se desespere se não sabe o que são graus diatônicos! Os graus diatônicos de uma escala são as notas que formam a escala e estão dentro de uma mesma tonalidade. Por exemplo, se estamos em dó maior o primeiro grau da escala é dó, segundo é ré e assim sucessivamente, sendo todos naturais, já que na armadura de dó maior não há nenhum acidente. Já no tom de ré maior, as notas diatônicas são ré, mi, fá sustenido, sol, lá, si e dó sustenido. Se ficou com dúvida dá uma olhada na nossa página de dicas  sobre tonalidades (Link).

Da mesma forma que temos uma escala de notas, podemos montar uma escala de acordes dentro do campo harmônico de cada tonalidade (dê uma olhada no nosso post de campos harmônicos- Link). Para simplificar, a dominante é a quinta nota da escala ou no caso da escala de acordes é o quinto grau da escala. Em dó maior seria o sol com sétima (G7), em ré maior seria o lá com sétima (A7). Assim como a dominante prepara a tônica que é o primeiro grau da escala, os dominantes secundários são as quintas de cada acorde. Assim, no campo harmônico de dó maior para ir de C para Dm, posso preparar com o A7 que é a quinta de ré, para ir de Dm para Em, preparamos com o B7 que é a quinta de E, de Em para F preparamos com o C7 que é a quinta de F, de F para G preparamos com D7 que é quinta de G e de G para Am preparamos com E7 que é a quinta de A. O único grau da escala que não é usual prepararmos com acorde dominante secundário é o sétimo grau no caso do campo harmônico de dó maior, seria o B meio diminuto por ser um acorde instável. Além disso, sua quinta é o fá sustenido que não é diatônica do tom de dó maior.

Aprenda violão Popular – Garantia de reembolso

iconNa música saudades da Bahia de Dorival Caymmi, há alguns trechos com uma sequência de dominantes secundários. Do compasso 11 até o final do trecho abaixo temos as seguintes sequências de acordes: Gm7 preparando C7 que por sua vez prepara F7 que prepara Bb7 que prepara Eb.

 

Indicação de livros e e-books (clique na imagem ou link para ir para a página de compra):
icon 
icon

 

Sax Solos: Learn how to Perform Three Fun and Unique Pieces!

Aprenda a escrever partituras com o MuseScore

O MuseScore é um software de código aberto para edição de partituras. Com ele é possível fazer arranjos, escrever partituras, executar a partitura e tocar junto, imprimi-la, gerar  arquivos de midi ou áudio e muito mais.

Este software é uma alternativa aos softwares pagos e uma excelente ferramenta para músicos, professores de música, arranjadores ou qualquer pessoa que ame música!

Lançamos  na plataforma Udemy um curso básico para quem quer aprender a usar o programa.

 

Livro em Kindle para aprender a usar o software ( em inglês):

Por que alguns intervalos são justos e outros são maiores ou menores?

sexta menor

Você já se perguntou por que alguns intervalos são maiores e menores e outros são justos? Durante muito tempo eu decorei que os intervalos de segunda, de terças e sextas e sétima são maiores ou menores e os de quartas, quintas e oitavas são justos. Mas por quê?

A explicação está na distância em semitons que os intervalos ascendentes e descendentes possuem. Vamos pensar na escala de dó maior. O intervalo de dó a ré é ascendente e possui uma distância de 2 semitons. É um intervalo de segunda porque passamos por duas notas o dó e o ré (lembrando que na escala de dó maior não há nenhum acidente, ou seja, nenhum sustenido ou bemol). Se fizermos a escala descendente temos do, si sendo um intervalo de segunda descendente cuja distância é de apenas um semitom. Então para diferenciar temos que o primeiro é um intervalo de segunda maior e o segundo um intervalo de segunda menor.

Agora prestem atenção nos intervalos de quarta ascendente e descendente. Como intervalo de quarta ascendente temos de dó a fá cuja distância é de cinco semitons. Se tomarmos o intervalo de quarta descendente que é a distância entre a nota dó e sol temos também a distância de cinco semitons.

Se fizermos a mesma análise para os intervalos de terça ascendente que é de dó a mi e descendente que é de dó  a lá, temos que o intervalo de do a mi ascendente tem uma distância de 4 semitons e o intervalo de terça descendente tem apenas 3 semitons. Para diferenciar chamamos o primeiro de terça maior e o segundo de terça menor.

Para os intervalos de sexta ascendentes temos uma distância de 9 semitons ( de dó a lá) e o descendente (de dó a mi) tem uma distância de apenas 8 semitons. Para os de sétima ascendente ( de dó a si) temos 11 semitons e para o de sétima descendente ( de dó a ré) apenas 10 semitons.

Fazendo a mesma análise para o intervalo de quinta temos que a distância entre o intervalo de quinta ascendente (de dó a sol) é de 7 semitons e o descendente (de dó a fá) é também de 7 semitons e por isso é chamado de quinta justa. O de oitava possui a distância de 12 semitons de dó a dó independente da direção.

É por essa razão que chamamos alguns intervalos de maiores e menores e outros de justos.

O que é Tabladura e para que serve?

Enquanto o pentagrama é um sistema que registra as alturas e ritmos da música, a tabladura ou TAB simboliza as cordas do instrumento. Então uma tabladura para violão é diferente de uma tabladura de cavaquinho ou bandolim. Apesar de seu uso no rock e música pop, a tabladura nasceu na música clássica  foi bastante comum no Barroco e Renascimento. É amplamente usado para guitarras e no caso deste instrumento possui várias técnicas como vibrato, hammer on, pull off, Bend e slide entre outros. No entanto, podemos usar a tabladura para qualquer instrumento de corda que possua as divisões bem definidas no braço do instrumento.

No caso do violão e da guitarra são seis linhas, cada uma representando uma corda sendo mostrado como o músico enxerga sua mão, ou seja de ponta cabeça. Assim, na representação gráfica, a primeira linha (de cima para baixo) representando a primeira corda e a sexta linha representando a sexta corda ficando então de cima para baixo as notas E, B, G, D, A, E como mostrado na figura abaixo.

Tabladura para guitarra mostrando as notas musicais

Tabladura paraGuitarra

Já no caso do bandolim, a afinação é diferente. Como são oito cordas, mas com afinação dupla, ou seja, na verdade cada duas cordas soam como uma única nota, temos uma tabladura de quatro linhas sendo que as duas primeiras notas do bandolim são responsáveis pela nota mi, seguindo de cima para baixo temos lá, ré e sol. Lembrando que as notas mais graves (corda com maior calibre) são representados na parte inferior da tabladura. A figura a seguir mostra a tabladura para o bandolim.

Tabladura para Bandolin

 

Curso Prático de guitarra para principiantes (Em Espanhol)

Clique na Imagem para ir para a página do curso

Software de edição de partituras open source

Pouca gente sabe, mas há um software livre de edição musical que não perde em nada para os consagrados Sibelius e Finale. O MuseScore veio para ficar. Com versão para Windows, Mac e Linux é de fácil instalação, fácil de utilizar e mesmo as tarefas que demandam muita paciência como, por exemplo, organizar o lay out das páginas para impressão, ficaram muito fáceis. É possível conectar um teclado midi ou entrar as notas pelo teclado ou com o  mouse. Também é possível criar tabladuras para instrumentos de corda como violão, contrabaixo e até bandolim.

Há vários tutoriais na internet que ensinam o básico, mas os melhores ainda estão em inglês. Em breve lançaremos vídeos com dicas para utilizá-lo e também um curso gratuito. Aguarde e mantenha-se conectado ao nosso site.

Enquanto isso, deixo um tutorial de como instalar e o link para baixá-lo.

Link da página do MuseScore : Clique aqui para acessar a página de download do programa.

Curso para aprender a usar o software:

E-book para Kindle (em inglês):

Categorias

Calendário de Posts

setembro 2017
D S T Q Q S S
« ago    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Curso How to build Course – Em Inglês

Curso Como construir Acordes – Português