" />

Aprenda a editar partituras com o Musescore (Open Source software)

Baixe Gratuitamente a partitura do hino Ao Deus Grandioso com tabladura para bandolim e cifras para violão.


Posts na categoria Acordes

Dica de livro: Como Tocar Guitarra Passo a Passo

Dica de Livro : Como Tocar Guitarra Passo a Passo

Todas as vezes que vou a uma livraria, não deixo de dar uma boa olhada nas opções de livros de música. Gosto de avaliar o há de novo ou se o que está sendo lançado é mais do mesmo. Tem muita coisa boa editada em português e para todos os níveis.

Vou postar algumas dicas aqui de livros que adquiri e vou tentar listar os prós e contras quando necessário.

O livro que escolhi para inciar é um guia para guitarristas COMO TOCAR GUITARRA PASSO A PASSO : O GUIA COMPLETO PARA DOMINAR A GUITARRA.

Vou deixar aqui também algumas opções de compra para facilitar a vida:

Como tocar guitarra passo a passo – Livraria Cultura

Como tocar guitarra passo a passo – Saraiva

Pra quem gosta de ler em inglês e estiver nos Estados Unidos ou preferir importar segue o link da Amazon:      How to play guitar step by step

iconO legal deste livro é que ele vem com um DVD que podes er usado em PC ou MAC. Este DVD é apenas para computador, ou seja, não vai funcionar se você plugar no se aparelho de Blue ray ou DVD player. Basta clicar no ícone Start_Macuniversal.app ou Mac intel.apppara Mac ou o arquivo equivalente para Windows. Ao clicar vai abrir uma janela perguntando se concorda com os termos contidos no arquivo LeiaMe.html. Clique sim. Testei no meu Mac e não tive que usar o ícone Macintell.app porque meu Mac usa um processador Intel. No DVD você terá basicamente quatro ícones:

Sessões : Nesta sessão você poderá praticar as técnicas e exercícios apresentados no livro para desenvolver suas habilidades com o instrumento. Os arquivos de vídeo estão organizados com a página a que se referem no livro o que facilita bastante para acompanhar e localizar-se. Na sessão há uma mostra de diversos gêneros musicais como blues, rock, funk, country, R&B, reggae, Pop e jazz o que ajuda a quem está começando a diferenciar os diferentes gêneros musicais.

Técnicas: Aqui poderá ouvir as técnicas descritas nas sessões do livro. Elas são tocadas por um guitarrista profissional. São divididas em duas sessões. na primeira mostra como afinar a guitarra, postura ao tocar, como segurar e tocar com a palheta ou com os dedos, acordes e power chords. na segunda sessão mostra sessões básicas de hammer-on e pull-off e também alguns acordes maiores e menores. Se você já domina estas técnicas não perca tempo com esta sessão.

Exercícios: Veja e ouça todos os exercícios descritos nas sessões do livro para incrementar seu modo de tocar.

Material bônus: Faixas de áudio para você improvisar

O livro possui 352 páginas e é dividido em seis capítulos.

Capítulo 1 – Os equipamentos. Nesta parte você tem um overview sobre a guitarra, violão, aparelhagem de som como por exemplo, os amplificadores e pedais de efeito. Nesta parte dos efeitos o mais legal é que ao descrever o efeito há indicações de músicas onde são empregados. Por exemplo, o efeito chorus é usado em músicas como Paradise city do Guns N’ Roses (introdução da música).

O capítulo 2 é dedicado à teoria essencial com conceitos básicos de notas, escalas, tonalidades e localização das notas musicais no braço da guitarra. Neste capítulo são mostradas as regras de construção de acordes e também as noções de ritmo e tempo.

O capítulo 3 é a parte mais interessante e rica do livro (também é a maior em número de páginas) e vai trabalhar as 10 sessões que estão no DVD, passando pelas técnicas básicas e seguindo para temas avançados como acordes, escalas (maiores, pentatônicas, blues, etc.), sistema CAGED, progressões de acordes, acordes dissonantes ( Sus2, sus4, add9, inversões, etc), solos e riffs e finalizando com os gêneros musicais.

O capítulo 4 dá dicas de como se tornar um artista, como fazer composições ou cover de músicas. há dicas também de como tocar em grupo e como formar uma banda.

O capítulo 5 dedica-se à manutenção da guitarra, dicas de escolha e ajuste de cordas, limpeza e cuidados no armazenamento e transporte do instrumento além também de customização do instrumento.

O capitulo 8 traz recursos úteis como um dicionário de acordes e dicionário de escalas com os desenhos no braço da guitarra. O dicionário traz as escalas maiores, pentatônica maior, menor natural e pentatônica menor.

O livro termina com um glossário e índice remissivo que é bastante útil, se você precisa buscar um assunto específico.

Enfim, vale muito a pena para quem quer se aprofundar neste tema.

Não encontrei este livro na versão digital.





O que são e como usar os acordes diminutos

O que são acordes diminutos e para que servem?
O acorde diminuto pode ser usado de diversas maneiras e há muitas dúvidas sobre como aplica-lo. Uma das aplicações é usá-lo como acorde de passagem para dar um colorido à harmonia, podendo também ser usado nas modulações (mudanças de tonalidades, aproximações cromáticas, substituição da dominante, etc). Vamos primeiro entender como ele é formado e então veremos alguns exemplos de como utilizá-lo.

O termo diminuto significa diminuir e é usualmente aplicado quando temos um intervalo justo ou menor que foi abaixado em um semitom. Ao se falar em acorde diminuto, temos pelo menos três formas:
A primeira é a tríade diminuta em que um acorde menor tem sua quinta abaixada em um semitom. Por exemplo, o acorde de dó menor (Cm) é formado pela tônica dó (C ), a terça menor mi bemol (Eb) e a quinta justa sol (G). Desta forma, se abaixamos a quinta em um semitom temos a tríade diminuta de dó representada pela cifra C5b (formado pelas notas C, Eb, Gb). Podemos definir uma fórmula para sua formação sendo 1,3m,5b, onde os números representam os graus da escala maior. Então 1 é a tônica, 3 é a terça maior e no nosso caso 3b é a terça menor (abaixa meio tom na terça maior), 5 é a quinta justa, sendo que no nosso caso 5b é a quinta diminuta
O segundo tipo é o acorde meio diminuto que parte da tríade diminuta acrescentando a sétima menor, e cuja cifra para o acorde de dó meio diminuto é C75b ou CØ. A fórmula para este acorde é 1,3m, 5b, 7b (tônica, terça menor, quinta diminuta e sétima menor) que neste exemplo é formado pelas notas C,Eb,Gb,Bb.
A terceira forma é o acorde diminuto cuja fórmula é 1,3b,5b, 7bb, então 7b é a sétima menor e 7bb a sétima diminuta. Em resumo, dado um acorde maior com sétima qualquer (lembrando que no acorde de sétima esta é a sétima menor), devemos abaixar meio tom na terça, meio tom na quinta e meio tom na sétima menor, ficando desta forma, tônica, terça menor, quinta diminuta e sétima diminuta. No nosso exemplo em dó, temos o dó diminuto cifrado da seguinte forma: C°.

Vamos ver alguns exemplos de acordes diminutos em diversas tonalidades:
C° : As notas do acorde maior são C, E, G. Acrescentando a sétima temos C, E, G, Bb. Aplicando a fórmula temos C, Eb, Gb, Bbb (ou C, Eb, Gb, A). Bbb (si dobrado bemol) é enarmônico de lá, mas do ponto de vista de nomenclatura não é correto notar como A e sim Bbb.

D° : Partindo do acorde maior com sétima: D, F#,A , Cb e baixando a terça quinta e sétima temos: D, F, Ab, Cbb (ou D, F, Ab, Bb).

Resumindo temos:

Os acordes diminutos criam tensão na música. Em harmonia, dizemos que ele pede resolução, pois o som fica “no ar” esperando que algo aconteça. A tensão gera uma expectativa. É como jogar uma bola para o alto e esperar que ela retorne e bata no solo. O momento do retorno da bola é nossa resolução.
Quando montamos o campo harmônico maior (veja nosso post sobre harmônico maior), o acorde meio diminuto aparece no sétimo grau. Os acordes diminutos aparecem no segundo grau dos campos harmônicos menores e os acordes meio diminuto no sexto grau dos campos harmônicos menores (veja nosso post sobre campos harmônicos menores).
Mas a questão básica é: Como e quando posso usá-los?
Vamos verificar alguns usos típicos destes acordes:

Substituto da dominante: Todo acorde diminuto é uma acorde com sétima dominante com a tônica alterada para meio tom acima. Se observarmos os acordes de C7 e C#° veremos que eles possuem três notas em comum o que nos possibilita intercambiá-los, ou seja usar o acordo diminuto meio tom acima como substituto do acorde dominante (com sétima).
Exemplo:
C7 : formado pelas notas C, E, G, Bb
C#°: formado pelas notas C#,E,G, Bb

ǁ Dm7ǀ G7ǀ C7Mǁ pode ser substituído por ǁDm7ǀG#°ǀC7mǁ

(Por questões didáticas não fizemos es encadeamentos dos acordes, ou seja, eles se encontram na posição fundamental para facilitar o entendimento)

Acorde de passagem: O acorde diminuto pode ser usado como acorde de passagem. Quando há, por exemplo a distância de um tom entre um acorde e outro de uma progressão, ele pode ser preenchido com um acorde diminuto.
Exemplo:
ǁ I (1 tom) ii ( 1 tom) iii ( meio tom) IV ( 1 tom) V (1 tom) vi (1 tom) viiǁ

Exemplo:
ǁ C      Dm   ǁ

Como entre  dó e ré há um tom de distãncia, podemos inserir um acorde de passagem entre eles ficando:

ǁ C C#° Dm ǁ

 

 

 Dicas de Livros
Livro de Harmonia Funcioanal – H.J.Koelreutter- 2a Edição – Lojas Americanas

Livro de Harmonia Funcioanal – H.J.Koelreutter- 2a Edição – Livraria Cultura
icon
Funções Estruturais da harmonia – Arnold Schoenberg- Livraria Cultura
icon




O que são e pra que servem os campos harmônicos?

Esta é uma pergunta que muita gente boa de música faz. Lembro-me quando criança que ao ir à aula de matemática perguntava: Onde é que eu vou usar isso? Quando estamos acostumados a tocar um instrumento seguindo a cifra, ou mesmo de ouvido, não sentimos falta de alguns conceitos da teoria musical. Por outro lado, quando entendemos algum conceito e passamos a usá-lo em nossas performances começamos a olhar de forma diferente para a teoria. É como o garoto que descobre que sem a matemática não haveria engenheiros ou simplesmente não poderia haver comércio.

Então o que é um campo harmônico? De forma simples, é uma escala de acordes. Para cada escala que usamos temos o campo harmônico refernte a ela.  Isso significa que posso construir o campo harmônico sobre uma escala maior, menor, blues ou qualquer outra em qualquer  tom. Se pensarmos na escala maior, por exemplo, podemos construir acordes em tríades, tétrades e mesmo com tensões. Vamos exemplificar então com  o campo harmônico maior que é o mais básico e como a maioria dos exemplos que encontramos é em dó maior, resolvi trabalhar este exemplo em lá maior.

A escala de lá maior inicia-se na nota lá e mantém a relação de tom, tom, semitom, tom, tom, tom, semitom. Ou seja, lá, si, dó sustenido, ré, mi, fá sustenido e sol sustenido. Podemos escrever usando a nomenclatura de cifras: A, B, C#, D, E, F# e G#. Então temos 3 sustenidos (F#, C# e G#).

Agora vamos construir o campo harmônico em tétrades sobrepondo as notas em terças para formar os acordes. Se usarmos a armadura de clave de lá maior, que já vem com as  os três sustenidos não precisamos pensar neles. Basta contar de três em três e temos A, C#, E, G formando o acorde de lá maior com sétima maior e ciframos A7M. Como é o primeiro grau da escala podemos também grafar como I7M. Da mesma forma, o segundo grau da escala de lá é si. Então, sobrepondo as notas temos: B, D, F#, A que é o acorde de ré menor com sétima que cifrado é Dm7. Como é o segundo grau e o acorde é menor grafamos IIm7 ou ii7 .Seguindo a mesma lógica para os demais graus temos: Em7 que generalizando seria IIIm7 ou iii7, depois no quarto grau temos o F#7M ou IV7M, o quinto grau seria o G7M ou V7M, o sexto grau forma o acorde de Am7 que generalizando temos  VIm7 ou vi7 e o sétimo grau que é formado pelas notas  G# ,B, D, F# que forma o acorde de sol sustenido meio diminuto. Este acorde tem este nome porque partindo do acorde de G# (G#, B#, D#, F##)  tem a terça (B#), a quinta (D#) e a sétima maior (F##)  abaixadas em meio tom e pode ser cifrado como G#ɸ ou ainda G#m75b . Generalizando temos VII ɸ  ou  vii ɸ.

Ouça agora a escala de notas e a escala de acordes ou o campo harmônico de lá maior.

E aqui segue uma tabela com os campos harmônicos nos 12 tons.

 

Pra que serve isso? Bem, se você souber quais notas formam o campo harmônico de uma tonalidade, você sabe que acordes usar em determinada música. Se você quiser compor uma música, já tem um bom ponto de partida. Os campos harmônicos associados às progressões são a base da música popular. Mas isso já é assunto para outro post.

Categorias

Calendário de Posts

setembro 2017
D S T Q Q S S
« ago    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Curso How to build Course – Em Inglês

Curso Como construir Acordes – Português