" />

Aprenda a editar partituras com o Musescore (Open Source software)

Baixe Gratuitamente a partitura do hino Ao Deus Grandioso com tabladura para bandolim e cifras para violão.


Arquivos Mensais para fevereiro, 2017

O que são acordes SUS ou suspensos?

Acordes suspensos

Sus é a abreviação para suspenso. Um acorde suspenso não é  maior nem menor, pois a suspensão refere-se à terça. Como é a terça que caracteriza o acorde como maior ou menor, a ausência dela caracteriza um acorde suspenso. Desta forma, um Power chord que possui apenas tônica e quinta é um acorde suspenso, pois não possui a terça. No caso dos Power chords, não levam o SUS na cifra, já que são cifrados com um número 5. Assim, o Power chord de dó é C5. Os acordes que levam SUS na cifra são os que além de suspender a terça, a substitui por outra nota que pode ser a quarta (Sus 4) ou a segunda (Sus 2).

Os acordes sus4 ( Csus4)não devem ser confundidos com os acordes com quarta adicionada (C4 ou Cadd4), já quando adicionamos a quarta nos acordes com quarta adicionada não removemos a terça. Este acorde é bastante dissonante, já que a terça conflita com a quarta devido a separação de um semitom entre elas.

Veja o vídeo abaixo para mais informações!
abc do Violão e Guitarra – Curso básico EM PORTUGUÊS
icon

 

Curso Como ler símbolos de acordes de forma visual e intuitiva  (EM INGLÊS)

Learn to read chord symbols in a visual and intuitive way using real music

6 horas de curso para nível intermediário com garantia de devolução do dinheiro em 30 dias, caso não seja o que está procurando.

Clique na imagem para ir para a página do curso.

Livros sobre o assunto. Clique na imagem para comprar

icon icon
icon

Por que alguns intervalos são justos e outros são maiores ou menores?

sexta menor

Você já se perguntou por que alguns intervalos são maiores e menores e outros são justos? Durante muito tempo eu decorei que os intervalos de segunda, de terças e sextas e sétima são maiores ou menores e os de quartas, quintas e oitavas são justos. Mas por quê?

A explicação está na distância em semitons que os intervalos ascendentes e descendentes possuem. Vamos pensar na escala de dó maior. O intervalo de dó a ré é ascendente e possui uma distância de 2 semitons. É um intervalo de segunda porque passamos por duas notas o dó e o ré (lembrando que na escala de dó maior não há nenhum acidente, ou seja, nenhum sustenido ou bemol). Se fizermos a escala descendente temos do, si sendo um intervalo de segunda descendente cuja distância é de apenas um semitom. Então para diferenciar temos que o primeiro é um intervalo de segunda maior e o segundo um intervalo de segunda menor.

Agora prestem atenção nos intervalos de quarta ascendente e descendente. Como intervalo de quarta ascendente temos de dó a fá cuja distância é de cinco semitons. Se tomarmos o intervalo de quarta descendente que é a distância entre a nota dó e sol temos também a distância de cinco semitons.

Se fizermos a mesma análise para os intervalos de terça ascendente que é de dó a mi e descendente que é de dó  a lá, temos que o intervalo de do a mi ascendente tem uma distância de 4 semitons e o intervalo de terça descendente tem apenas 3 semitons. Para diferenciar chamamos o primeiro de terça maior e o segundo de terça menor.

Para os intervalos de sexta ascendentes temos uma distância de 9 semitons ( de dó a lá) e o descendente (de dó a mi) tem uma distância de apenas 8 semitons. Para os de sétima ascendente ( de dó a si) temos 11 semitons e para o de sétima descendente ( de dó a ré) apenas 10 semitons.

Fazendo a mesma análise para o intervalo de quinta temos que a distância entre o intervalo de quinta ascendente (de dó a sol) é de 7 semitons e o descendente (de dó a fá) é também de 7 semitons e por isso é chamado de quinta justa. O de oitava possui a distância de 12 semitons de dó a dó independente da direção.

É por essa razão que chamamos alguns intervalos de maiores e menores e outros de justos.

Entendendo o sistema CAGED

CAGED é a abreviação para os acordes de dó (C ), lá (A), sol(G), mi (E) e ré (D). Na verdade, indicam cinco configurações diferentes para qualquer acorde no braço do violão ou guitarra. O acorde de dó maior é a primeira delas. Quando feito a partir da primeira casa vai soar como dó maior, no entanto, se colocamos uma pestana ou um capotraste no braço do instrumento prendendo todas as cordas no primeiro traste (ou casa), temos o acorde de dó sustenido maior e quando “escorregamos”  de traste em traste alteramos o acorde de meio em meio tom.

O mesmo vale para a configuração de lá maior que quando movida três trastes acima produz o mesmo acorde de dó maior. A configuração em Mi (E) feita a partir do primeiro traste produz o acorde de mi maior, mas se movida sete trastes acima formará o mesmo acorde de dó maior com pestana na casa oito.

As figuras a seguir mostram exemplos das cinco configurações ou cinco fôrmas.

Exemplo do sistema CAGED nas configurações de C e A

Na primeira figura temos os acordes de  dó maior (C) e lá maior (A) como referência. Movendo o acorde de C duas casas ou um tom acima, formamos o acorde de ré maior e movendo mais um tom ou duas casas acima temos o acorde de mi maior (E). A p´roxima fôrma é o A, então, movendo o acorde de lá maior (A) meio tom acima temos o acorde de Si maior (B) e movendo mais meio tom temos o acorde de dó maior. Podemos repetir este procedimento para todos os trastes do violão ou da guitarra.

Exemplo nas configurações de G, E e D.

No caso do acorde de sol (G) há algumas variações possíveis para facilitar sua digitação, porém, ele segue a mesma regra. a figura acima mostra os acordes de lá maior (A) feito usando a fôrma de G. Na sequência temos o acorde de sol maior (G) na fôrma de mi e o acorde de mi maior (E) na forma de D.

O mesmo vale para todas as variações dos acordes. Assim, um acorde de lá menor segue a configuração (A) na posição menor, produzindo lá sustenido menor ou si bemol menor com pestana na primeira casa e dó menor com pestana na terceira.

O vídeo a seguir exemplifica o uso do sistema CAGED para o acorde de dó maior.

 Recomendação de livros sobre o assunto (clique na imagem ou link)

icon
icon

Cursos de Guitarra (EM INGLÊS)

Guitar Super System Level 1

Clique na foto para ir para a página do curso

=========================================================

Guitar Super System Level 2

Clique na foto para ir para a página do curso

O que são acordes em tríades?

Já se deparou com a palavra tríade em teoria musical? Qual o significado dela? Bem, basicamente, tríades são acordes formados por três notas. Os acordes mais básicos são os maiores formados com a tônica, que é a nota que dá o nome ao acorde, uma terça maior e uma quinta justa. Assim, o acorde de dó maior é formado pelas notas dó (C), mi (E) e sol (G). E como formar os acordes maiores nos outros tons? Basta fazer a transposição respeitando a armadura de clave. Assim, se queremos por  exemplo o acorde de lá maior  podemos pensar de duas maneiras: A primeira forma depende de ter o conhecimento prévio que a armadura de clave de lá maior possui três sustenidos sendo eles o fá#, o dó# e o sol#. Então contamos de três em três e temos: lá, do e mi. Como o dó é sustenido então o acorde fica lá (A), dó# (C#) e mi (E) e é representado pela nota E. Outra maneira é saber que uma terça maior é o intervalo de 4 semitons e uma quinta justa o intervalo de sete semitons. Lembre-se que entre a nota mi e fá e entre o si e dó há apenas um semiton. Então se contarmos iniciando em lá temos: lá, lá#, si, dó e dó#. Ou seja, nossa terça maior é o dó#(C#). Continuando temos: ré, ré#, mi que é a nossa quinta justa. Então o acorde de lá maior fica lá, dó# e mi. Fácil não.

Para encontrar os acordes menores, basta partir do acorde maior e diminuir meio tom na terça. Então o acorde de dó menor é formado pelas notas C, Eb e G e é representado pela cifra Cm enquanto o acorde de lá menor é formado pelas notas A, C e E e é representado pela cifra Am.

Quer saber mais? Acesse o curso como construir acordes clicando no link: https://www.udemy.com/como-construir-acordes/

 

Entenda os campos harmônicos menores

Já falamos aqui sobre os campos harmônicos maiores e de que forma estes acordes podem ser utilizados em uma determinada música. Hoje voltaremos nossa atenção para os campos harmônicos menores. Se nos campos harmônicos maiores construímos uma escala de acordes nas tonalidades menores temos mais diversidade uma vez que temos não apenas uma escala, mas pelo menos três mais conhecidas: menor natural, menor harmônica e menor melódica.

O estudo dos campos harmônicos e das escalas é bastante extenso, já que cada escala gera seu próprio campo harmônico, isso sem falar nos modos em cada escala. Quando trabalhamos com as escalas menores, usamos as escalas maiores homônimas (de mesmo nome) para nos referenciar. Assim, se a escala de A maior é formada pelas notas A, B, C#, E, F#, G# e B, nos indicamos cada nota como sendo um grau da escala ou I, II, III, IV, V, VI e VII. Assim fica fácil transpor os acordes em cada tonalidade. Nosso exemplo utiliza a escala de lá maior e menor.

As escalas de lá menor natural é  relativa da escala  de dó maior e  porisso também é chamada de modo eólico da escala de dó maior. Nesta escala não há nenhum acidente, assim como na escala de dó maior. Então quando comparamos a escala de lá menor natural com sua homônima maior vemos que o terceiro, o sexto e o sétimo grau estão abaixados em um semitom. Sua representação genérica então é: I, II, IIIb, IV, V, VIb e VIb. Ou para o caso específico de lá menor natural temos: A, B, C, D, E, F e G. Os acordes de seu campo harmônico serão construídos sobrepondo estas notas em terças. Você pode ver esta formação na figura abaixo que nos leva aos acordes de Am7, B75b ou Bɸ (meio diminuto), C7M, Dm7, Em7, F7M e G7. Isso significa que todos estes acordes podem ser usados em uma melodia na tonalidade de lá menor, respeitando claro, o movimento melódico. E mais, isso significa que qualquer um destes acordes combinam com a escala de lá menor natural o que me deixa tranquilo para improvisar usando esta escala quando a progressão harmônica passa por estes acordes.

Como temos outras duas escalas a menor harmônica (A, B, C, D, E, F e G#) e menor melódica (A, B, C, D, E, F# e G#) formamos acordes adicionais que podem ser utilizados se a melodia assim permitir. Na escala menor harmônica apenas o terceiro e o sexto grau é baixado de um semitom enquanto que o sétimo grau permanece como na escala maior, já a escala menor melódica apenas o terceiro grau que é característico de qualquer escala menor. O sexto e o sétimo grau permanecem como na escala maior. Isso nos leva a novos acordes.

Desta forma o campo harmônico da escala menor harmônica é Im7M, IIɸ, IIIb7M5#, IVm7, V7, VIb7M e VII dim. No caso de lá menor harmônico temos: Am7M, Bɸ, C7M5#, Dm7, E7, F7M e G#dim.

Já o campo harmônico da escala menor melódica fica: Im7M, IIm7, IIIb7M5#, IV7, V7, VIɸ e VIIɸ. Ou para lá menor melódico: Am7M, Bm7, C7M5#, D7, E7, F#ɸ, e G#ɸ.

Campos harmonicos menores

Curso de Harmonia e Progressões de acordes ( em Inglês)

Clique na foto para ir para a página do curso

Usable Music Theory Part 1: Harmony and Chord Progressions

 Opções de livros para Kindle (Amazon)

O que é Tabladura e para que serve?

Enquanto o pentagrama é um sistema que registra as alturas e ritmos da música, a tabladura ou TAB simboliza as cordas do instrumento. Então uma tabladura para violão é diferente de uma tabladura de cavaquinho ou bandolim. Apesar de seu uso no rock e música pop, a tabladura nasceu na música clássica  foi bastante comum no Barroco e Renascimento. É amplamente usado para guitarras e no caso deste instrumento possui várias técnicas como vibrato, hammer on, pull off, Bend e slide entre outros. No entanto, podemos usar a tabladura para qualquer instrumento de corda que possua as divisões bem definidas no braço do instrumento.

No caso do violão e da guitarra são seis linhas, cada uma representando uma corda sendo mostrado como o músico enxerga sua mão, ou seja de ponta cabeça. Assim, na representação gráfica, a primeira linha (de cima para baixo) representando a primeira corda e a sexta linha representando a sexta corda ficando então de cima para baixo as notas E, B, G, D, A, E como mostrado na figura abaixo.

Tabladura para guitarra mostrando as notas musicais

Tabladura paraGuitarra

Já no caso do bandolim, a afinação é diferente. Como são oito cordas, mas com afinação dupla, ou seja, na verdade cada duas cordas soam como uma única nota, temos uma tabladura de quatro linhas sendo que as duas primeiras notas do bandolim são responsáveis pela nota mi, seguindo de cima para baixo temos lá, ré e sol. Lembrando que as notas mais graves (corda com maior calibre) são representados na parte inferior da tabladura. A figura a seguir mostra a tabladura para o bandolim.

Tabladura para Bandolin

 

Curso Prático de guitarra para principiantes (Em Espanhol)

Clique na Imagem para ir para a página do curso

Categorias

Calendário de Posts

fevereiro 2017
D S T Q Q S S
« jan   mar »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728  

Curso How to build Course – Em Inglês

Curso Como construir Acordes – Português